Estudo sistemtico do controle glicmico intensivo em diabetesHome / Estudo sistemtico do controle glicmico intensivo em diabetes

Diversos estudos em anos recentes questionaram o benefício do controle glicêmico intensivo em pacientes com diabetes. Estes pesquisadores dinamarqueses realizaram um estudo sistemático sobre todas as causas de mortalidade, efeitos cardiovasculares, complicações microvasculares e hipoglicemia severa. Eles pesquisaram na Cochrane Library, Medline, Embase, Science Citation Index Expanded, LILACS, e CINAHL assim como pesquisa manual de listas de referência para testes randomizados comparando controle glicêmico intensivo com controle glicêmico convencional em diabetes tipo 2. Os quatorze testes clínicos produzidos (28.614 participantes, 15.269 intensivos e 13.345 convencionais).

Os pesquisadores descobriram: “Controle glicêmico intensivo não afetou significativamente os riscos relativos de todas as causas (1,02, 28.359 participantes, 12 testes) ou mortalidade cardiovascular (1,11, 28.359 participantes, 12 testes). Testes de análises sequenciais rejeitaram uma redução do risco relativo acima de 10% para todas as causas de mortalidade e mostrou dados insuficientes sobre mortalidade cardiovascular. O risco de infarto do miocárdio não fatal pode ser reduzido (risco relativo 0,85, 28.111 participantes, 8 testes), mas esta descoberta não foi confirmada em testes de análises sequenciais. O controle glicêmico controlado mostrou uma redução nos riscos relativos para efeitos cardiovasculares compostos (0,88, 25.600 participantes, 3 testes) e retinopatia (0,80, 10.793 participantes, 7 testes), mas o teste de análise sequencial demonstrou que evidências suficientes não foram ainda alcançadas. A estimativa de um efeito no risco de nefropatia (risco relativo de 0,83, 27.769 participantes, 8 testes) não foi estatisticamente significante. O risco de hipoglicemia grave foi significativamente aumentado quando o controle glicêmico intensivo foi dirigido (risco relativo de 2,39, 27.844 participantes, 9 testes). Teste de análise sequencial apoiou um aumento de 30% no risco relativo de hipoglicemia grave.”

Os pesquisadores concluíram: “Controle glicêmico intensivo não parece reduzir todas as causas da mortalidade em pacientes com diabetes tipo 2. Dados disponíveis de testes clínicos randomizados ainda não são suficientes para provar ou refutar uma redução no risco relativo da mortalidade cardiovascular, infarto do miocárdio não fatal, complicações microvasculares compostas ou retinopatia em uma grandeza de 10%. Controle glicêmico intensivo aumenta o risco relativo de hipoglicemia grave em 30%.”


Controle glicêmico intensivo em diabetes não melhora mortalidade, pode oferecer um ligeiro benefício em complicações microvasculares e aumenta o risco de hipoglicemia severa.

Para o resumo completo, clique aqui.

BMJ 343:d6898, 24 de novembro de 2011 © 2011 BMJ Publishing Group Ltd.
Controle glicêmico intensivo em pacientes com diabetes tipo 2: estudo sistemático com meta-análise e análise sequencial de testes clínicos randomizados. Bianca Hemmingsen, Søren S Lund, Christian Gluud, et al. Correspondência para B Hemmingsen: bh@ctu.rh.dk

Categoria: T. Endócrino/Metabólico/Nutricional. Palavras-chave: diabetes mellitus, tipo 2, controle intensivo, mortalidade, microvascular, estudo sistemático com meta-análise, Journal Watch.
Sinopse editada por Dr Paul Schaefer, Toledo, Ohio. Publicada em Global Family Doctor 20 de dezembro de 2011

PARCEIROS

AFILIADOS